Base de conhecimento  /  Gerenciador de aplicativos em nuvem  /  Automatização de implementações
Base de conhecimento  /  Gerenciador de aplicativos em nuvem  /  Automatização de implementações

Caixas de modelo do CloudFormation

Atualizado por Amalia Garcia de Mirasierra e Guillermo Sanchez em nov 4, 2019
Código do artigo: kb/1185

Neste artigo:

Visão geral

Este artigo se destina a auxiliar os usuários do Cloud Application Manager que desejam usar caixas de modelos para criar ou editar modelos do AWS CloudFormation.

Público

Todos os usuários do Cloud Application Manager que desejam definir e usar caixas de modelos do AWS.

Pré-requisitos

  • Uma conta ativa do Cloud Application Manager
  • Uma conta existente do AWS configurada em um provedor da  AWS .

Criar um modelo do CloudFormation e iniciar uma pilha

A caixa do CloudFormation consiste principalmente em um modelo no qual você descreve todos os recursos do AWS necessários para executar seu aplicativo. O Cloud Application Manager analisa o modelo e mostra automaticamente os parâmetros de entrada em uma seção chamada Variáveis. Isso permite personalizar facilmente o modelo.

Usamos um modelo de exemplo do WordPress para mostrar como criar e iniciar um modelo do CloudFormation no Cloud Application Manager.

Etapa 1. Criar o modelo

  1. Faça login no Cloud Application Manager.

  2. Clique em Caixas > Novo > Modelo > Modelo do CloudFormation. Atribua um nome relevante à caixa para identificá-la no catálogo de serviços de caixas. Especifique outros metadados.

    Processo de criação do modelo do CloudFormation

  3. Na caixa, selecione New (Novo) em Modelo, na guia Código. Neste guia, nós importamos um modelo de exemplo do WordPress a partir de uma URL. Quando o modelo é salvo, o conteúdo da URL é transportado.

    Importar modelo com o botão "Novo"

    Além da URL, você tem duas outras opções para criar um modelo:

    • Modelo em branco. Desenvolva um modelo desde o início. Depois de salvo, seu modelo em branco estará disponível para ser composto por você.
    • Arquivo. Carregue um modelo existente. Depois de salvo, o conteúdo do arquivo fica disponível no modelo. Você pode carregar um arquivo de até 1 MB.

    Observação: Observação: ao fazer a importação a partir de um arquivo ou URL, certifique-se de que o conteúdo esteja formatado em JSON e siga as convenções de modelos do CloudFormation.

Etapa 2. Autor do modelo

  1. Comece com um modelo de exemplo do AWS CloudFormation e clique no lápis para modificá-la. Aqui, nós usamos o modelo de exemplo do WordPress.

    Exemplo de modelo da AWS

    Observação: os modelos do CloudFormation têm sua próxima taxonomia a ser seguida. Embora um modelo geralmente tenha várias seções, apenas a seção Recursos é exigida. Para obter informações e exemplos de como declarar cada seção, consulte Anatomia do modelo e Referência de modelo.

  2. Personalize os parâmetros de entrada. Embora isso seja opcional, se estiverem no modelo, eles serão exibidos automaticamente em Variáveis. Você pode personalizar vários parâmetros como neste exemplo.

    Modificar modelos da AWS

    Outro exemplo é:

    Variáveis do modelo da AWS

    Você pode personalizar ainda mais adicionando parâmetros a Variáveis. Neste exemplo, adicionamos a variável Opções para definir a versão do mecanismo de banco de dados no momento da implementação. Observe que, quando salvamos a variável, ela é automaticamente adicionada ao modelo como um parâmetro no formato JSON correto.

    Variáveis do modelo da AWS

    Variáveis nas caixas do CloudFormation:

    • O modelo aceita apenas tipos de Cadeia, Número ou CommaDelimitedList. Portanto, todas as variáveis que você adiciona à caixa são convertidas em um desses tipos. As variáveis de texto, arquivo, senha, URL e e-mail são tratadas como parâmetros de cadeia. As variáveis de número e porta são tratadas como parâmetros de número.

    • As vinculações têm um uso especial e serão explicadas mais à frente neste guia.

    • As variáveis importadas de um modelo são sempre exigidas no momento da implementação, mesmo que você não as marque como obrigatórias na caixa. Como elas devem conter valores no momento da inicialização, você pode definir um valor padrão ao criá-las ou especificá-los no momento da implementação.

    • Por enquanto, as variáveis de tipo de caixa não são aceitas.

    • A variável de arquivo é uma alternativa útil para incluir um script que você deseja executar em sua pilha. Quando você adiciona um arquivo, o Cloud Application Manager o armazena em um servidor seguro e declara a variável de arquivo como um parâmetro com o valor de URL na seção de parâmetros do modelo. Para executar o arquivo, você pode adicionar um script na seção de dados do usuário do modelo. Como alternativa, dependendo do seu tipo de recurso, referencie-o na seção de propriedades do recurso. Um exemplo de uso de arquivo consiste em armazená-lo no bucket S3 que você inicia como parte da pilha.

Observação: durante a composição, é importante verificar se o modelo é válido. Embora o Cloud Application Manager valide a integridade do formato JSON e da sintaxe do modelo, não é possível identificar se os recursos especificados estão disponíveis na sua conta da AWS nem se os valores das propriedades de um recurso são válidos. Para esse nível de verificação, é melhor fazer um teste de inicialização da instância da caixa do CloudFormation a partir do Cloud Application Manager e refinar o modelo em tempo real.

Etapa 3. Iniciar a pilha do CloudFormation

  1. Na página da caixa, clique em Implementar.

  2. Para a política de implementação, selecione uma política de implementação do AWS CloudFormation adicionada ao Cloud Application Manager para indicar o local e a zona de disponibilidade a fim de iniciar a pilha.

    Implementar modelo da AWS

  3. Como opção, adicione tags para vinculações, agende automaticamente a instância e defina atualizações automáticas.

  4. Em Variáveis, defina valores para cada parâmetro com base na propriedade AllowedValues na seção de parâmetros do modelo.

  5. Clique em Implementar para iniciar a pilha.

    Observação: quando a inicialização é bem-sucedida, a URL do site fica disponível no editor de ciclo de vida da instância. Clique em Lifecycle Editor na página da instância e observe WebsiteURL.

    LifecycleEditor

Registrar automaticamente instâncias de computação nos provedores habilitados para Managed Services Anywhere (Serviços Gerenciados em Qualquer Lugar)

Se você estiver implementando uma caixa de modelo do CloudFormation em um provedor habilitado para Managed Services Anywhere (Serviços Gerenciados em Qualquer Lugar), todas as instâncias de computação criadas (EC2 e instâncias baseadas em grupos de dimensionamento) serão automaticamente registradas e vinculadas à instância do CloudFormation que as implementou. Nessas instâncias registradas, nem todas as ações do ciclo de vida serão permitidas, pois para o restante delas, você precisará agir na instância CloudFormation pai para que as instâncias vinculadas dependentes sejam atualizadas.

Para obter mais informações, consulte Provedores gerenciados

Atualizar uma pilha do CloudFormation em tempo real

Depois da entrada em operação, você poderá continuar a fazer alterações no seu modelo do CloudFormation a partir do editor de ciclo de vida da instância e testá-lo em tempo real. Siga estas etapas.

Etapas

  1. Faça login no Cloud Application Manager.

  2. Clique em Instâncias e selecione a instância do CloudFormation que você deseja atualizar. Neste exemplo, vamos selecionar a instância do WordPress iniciada anteriormente.

  3. Na página da instância, clique em Lifecycle Editor.

    Implementar a instância

  4. Atualize o modelo e teste a inicialização da pilha. Você pode alterar qualquer seção do modelo ou reescrevê-lo inteiramente. Quando estiver pronto para atualizar a pilha no AWS, clique em Reconfigurar. Neste exemplo, nós aumentamos o tamanho do banco de dados RDS alterando o valor do parâmetro DBAllocatedStorage.

    Atualizar e reconfigurar a instância

  5. (Opcional) Envie as atualizações de volta à caixa do CloudFormation. Quando estiver satisfeito com as alterações e os testes do modelo na instância, você poderá enviá-lo de volta à caixa do CloudFormation como uma versão. Para isso, clique em Novo nas guias Versões. Isso permite que você ou outros escolham futuramente a versão mais adequada para a implementação.

    Alterações na instância

Conectar-se a outras caixas do CloudFormation por meio de vinculações

As grandes implementações do CloudFormation são desafiadoras para gerenciar em um só modelo. Para simplificar, divida o modelo em caixas menores do CloudFormation (que são mais fáceis de gerenciar) e conecte-as por meio de vinculações. Em seguida, use expressões de texto para invocar as vinculações. Dessa forma, elas são adicionadas à seção de parâmetros do modelo. No momento da implementação, o serviço do CloudFormation invoca a associação para conectá-la e passa os valores entre as caixas.

Para ilustrar isso, criamos uma segunda caixa do CloudFormation para dimensionar automaticamente a instância de blog do WordPress quando seu limite de carga é ultrapassado. Nas etapas a seguir, nós adicionamos uma associação e a invocamos para conectar a caixa do WordPress à caixa de autoescala.

Etapas

  1. Crie uma caixa do CloudFormation usando o modelo de autoescala do AWS e implemente-a.

    Implementar o modelo de autoescala

  2. Vá para a caixa do WordPress e adicione uma associação à caixa de autoescala.

    Criar nova variável no modelo

  3. Quando a caixa do WordPress é implementada, a variável autoscalebinding deve corresponder à instância de autoescala.

    Instâncias de vinculações

  4. A relação criada pelas associações é mostrada na visão de grade.

    Visualização em grade

Se algum valor da associação for usado na configuração da caixa do WordPress, um tipo de variável de expressão de texto deverá ser criado.

Em Variáveis, clique em Novo e selecione o tipo de variável de expressão de texto. Insira esta cadeia de conexão: {{ autoscalebinding.address }}

Valor da variável de associação

A expressão pode conter qualquer valor de cadeia ou quaisquer variáveis dos modelos. Ela também pode conter variáveis do sistema, como instância, nome de usuário ou endereços. De modo geral, siga esta sintaxe: {{ binding_name.variable_name }}

Como obter suporte geral

Os clientes podem contatar diretamente a central de suporte de operações globais da Lumen (suporte técnico) para obter ajuda com o Cloud Application Manager, bem como para qualquer outro produto compatível no qual eles estejam inscritos. Veja abaixo as três formas de obter ajuda.

Contato:

  1. Telefone: 888-638-6771

  2. E-mail: E-mail: incident@centurylink.com

  3. Criar um ticket no Cloud Application Manager: Diretamente dentro da plataforma, os usuários podem "Criar ticket" clicando no símbolo "?" no canto superior direito, próximo ao ícone do perfil de login do usuário. Isso leva o usuário diretamente ao Portal de serviços gerenciados, onde ele pode abrir, rastrear e revisar o status dos problemas que foram relatados ao suporte técnico. Além disso, essa é também a maneira de envolver um TAM.

Instruções:

  1. Informe seu nome
  2. Nome da conta do Cloud Application Manager
  3. Uma breve descrição da solicitação ou do problema para fins de registro do caso

O suporte técnico transmitirá as informações ao TAM principal e transferirá a chamada, caso necessário.

Powered by Translations.com GlobalLink OneLink SoftwarePowered By OneLink